Curso Analisa o Corpo Humano Planejado para o Projeto de Vida

Macrossoma

O curso Macrossoma: Corpo Humano Planejado será realizado de 24 a 26 de maio, na Escola da  Autopesquisa da Consciência (rua Miguel Tostes, 275), em Porto Alegre. Com atividades teóricas e exercícios práticos, o objetivo principal é possibilitar que cada participante investigue se é portador de algum tipo de macrossoma, um corpo humano potencializado para a realização de determinada programação de vida.

Em debate estarão assuntos como a possibilidade de planejarmos a vida atual em detalhes antes do nascimento e de programarmos o próprio corpo humano. “Além disso, é fato que as pessoas possuem mais inteligências do que realmente aplicam, havendo a possibilidade concreta de desenvolvê-las. Existem testes e modelos que permitem avaliar essas questões”, avalia a coordenadora da escola, professora Sonia Cerato.

As inscrições para o curso estão abertas e podem ser feitas de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h, pelo telefone (51) 3019-2694. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail eac.escola@gmail.com.

No dia 22, haverá palestra gratuita sobre o mesmo tema, aberta ao público interessado, no mesmo local.

A EAC – Escola da Autopesquisa da Consciência é uma instituição da área da Conscienciologia, ciência que ajuda o ser humano a perceber e identificar sua realidade de consciência atemporal e multidimensional, ilimitada de potencialidades.

A Palestrante – coordenadora da EAC, Sonia Cerato é bióloga, mestre em educação, professora com mestrado na área, o que resultou em publicação sobre Módulos de Ensino em coautoria, tendo atuado por 50 anos como professora. Foi agraciada com o título de menção honrosa oferecido pelo governo do estado do Rio Grande do Sul, por serviços prestados na área educacional. É consciencióloga há 22 anos, atuando como professora, palestrante e em alguns casos como epicentro consciencial na Europa (Itália, Portugal e Espanha) e em capitais e outras cidades brasileiras. Tem diversas obras conscienciológicas publicadas, entre elas:

– A Ciência Conscienciologia e as Ciências Convencionais
– Autopesquisa da Consciência
– Escola de Autopesquisa da Consciência
– O Impacto dos Pensamentos, dos Sentimentos e das Energias na Saúde/Doença
– Aprendendo a Lidar com a Morte de Forma Saudável
– Macrossomatologia: Estudo do Corpo Fora-de-Série

Para Saber Mais:

Site da Escola de Autopesquisa da ConsciênciaEAC

Youtube: Videos de palestras ministradas na EAC

Macrossoma: Boletim Metaconsciência 11

Folder do Curso:

release

Anúncios

Procura-se Projetores!

O Dr Braithwaite demonstra a "ilusão da mão de borracha"

O Dr Braithwaite demonstra a “ilusão da mão de borracha”

Cientistas da Universidade de Birmingham anunciaram no final de março de 2013 que estão procurando voluntários que tiveram Experiências Fora do Corpo para se participarem de um novo estudo que visa identificar as causas científicas por trás destes fenômenos.

Pesquisas anteriores, realizadas pela própria Universidade de  Birmingham, basearam-se em respostas indiretas por meio de questionários para examinar quais fatores baseados no cérebro sustentam a ocorrência dessas experiências.

O novo estudo está sendo promovido pelo Selective Attention & Awareness Laboratory (SAAL) da Escola de Psicologia da University of Birmingham, na Inglaterra.

O teor do anúncio, feito no site da universidade, de antemão, já deixa claro qual é a orientação da nova pesquisa: o fenômeno é encarado pelos pesquisadores como “bizarro”, “um tipo de alucinação”, uma “disfunção” do sistema neuro-cognitivo.

Segundo afirmou o Dr. Jason Braithwaite da Escola de Psicologia, “Nós estamos começando a compreender como é que o cérebro produz a experiência ´in-the-body´ no cotidiano observando os casos em que esses processos dão errado” (ou seja as EFCs são os “processos errados”).  “Estamos explorando a neurociência que pode predispor algumas pessoas a ter estas experiências marcantes e torná-las mais vulneráveis ​​a essas ocorrências “, conclui o Dr. Jason.

A equipe do Dr. Braithwaite está pedindo às pessoas que “sofreram estes tipos de alucinações”, ou seja, que tiveram EFCs, para participar de alguns simples experimentos em laboratório.

Um dos objetivos da pesquisa é verificar se as experiências fora do corpo apresentam respostas a padrões neurológicos semelhantes às  alucinações visuais de pessoas que sofrem de enxaqueca e epilepsia.

Além disso, outro objetivo é investigar a “ilusão da mão de borracha” onde os pesquisadores enganam o cérebro de um voluntário tornando-o absolutamente convencido de que uma mão de borracha falsa é realmente sua e que pertence ao seu corpo. Os investigadores querem saber se esta ilusão é mais fácil ou mais difícil de ser induzida em pessoas que têm experiências fora-do-corpo.

Os pesquisadores estão particularmente interessados ​​em fazer experimento com pessoas que experimentaram sensações fora do corpo em algum momento de sua vida. Se você experimentou uma experiência fora do corpo e gostaria de fazer parte desta nova e “excitante” pesquisa entre em contato com o Dr. Jason Braithwaite diretamente pelo e-mail jjbraithwaite@bham.ac.uk para mais informações.

O site adverte que as experiências não são adequadas para pessoas com epilepsia ou epilepsia fotossensível.

Para Saber Mais

Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

Rápida Projeção no Ceaec

Alojamento no Ceaec - Foto do Autor

Alojamento no Ceaec – Foto do Autor

No penúltimo Post, relatei um evento ocorrido no Ceaec. Mas isso não foi tudo. Tive mais algumas experiências que posso relatar.

Cheguei ao Ceaec, em Foz do Iguaçu, no dia 27 de março e por conveniência, resolvi dormir no Village (foto acima), um alojamento existente dentro do Ceaec (um hotel está em fase do construção ao lado do complexo).

Na primeira noite de sono no local. Propositadamente, não fiz qualquer trabalho energético ou autoprogramação antes de dormir. Eu queira ver “o que iria rolar” dessa forma, sem qualquer indução. Adormeci depois de algum tempo. Dormi pouco nessa noite.

A única coisa do qual me lembro durante o período de sono dessa primeira noite é que eu estava conversando com uma mulher. Ela estava sentada na minha frente, bem à vontade. Era magra, pele morena, cabelos pretos, curtos e ondulados, provavelmente presos de alguma forma na parte detrás da cabeça. Trajava uma blusa clara estampada que lembravam pequenas flores.

O que mais me chamou a atenção nela foram os olhos. Sob e acima das sobrancelhas parecia haver uma maquiagem escura que formava uma barra retilínea, digamos assim, de uma ponta a outra das sobrancelhas. Ela estava prestando-me vários esclarecimentos, mas, não guardei rememoração sobre os pormenores dos assuntos abordados. Isso é o que chamamos de projeção semiconsciente.

No dia seguinte deitei-me para dormir por volta de meia-noite. Sem perceber adormeci, como num abrir e fechar de olhos. Despertei às 2:20 com o livro da Helen Keller “estampado na minha cara”, conforme relatado no post anterior.

Depois disso, não consegui mais dormir. Passei as horas seguintes me revirando na cama. Aproveitei então para processar mentalmente algumas ideias. Infelizmente, isso não ajuda em nada a trazer o sono de volta, de forma que assim fiquei até umas 6:30 quando, finalmente, adormeci novamente.

Entrei em um estado alterado de consciência e passei  a sonhar lucidamente. Nesse sonho, eu despertava (falso despertar). O quarto estava claro como se fosse dia, apesar de, no intrafísico, estar completamente escuro. Fora isso, percebi que havia muitos outros objetos e móveis no quarto além dos que estão instalados no intrafísico. Eu despertava, erguia-me da cama e me questionava se havia de fato acordado.  Isso aconteceu duas vezes, No terceiro falso despertar, ao me levantar, meu nível de lucidez aumentou. De alguma forma, surgiu em minha paramão direita um estojo de lápis escolar aparentando ser feito de nylon vermelho, com um zíper branco rodeando-o quase que completamente.

Mais uma vez, desconfiei que aquele não era um autentico despertar e que estava na realidade projetado fora do corpo físico. Minha lucidez ainda não estava num nível L6*, pois se assim fosse, eu não teria nenhuma dúvida sobre o fato de estar projetado. Para testar minha impressão, atirei para cima o estojo que estava em minha paramão de forma que subisse e caísse dando rodopios. Minha hipótese, formulada num átimo, era de que se eu estivesse projetado, aquele estojo seria extrafísico e, portanto, poderia comportar-se de forma diversa ao que seria de se esperar no intrafísico, contrariando a atração gravitacional e caindo de volta na minha paramão lentamente, como se estivesse em câmera lenta. Se isso ocorresse, pouco importando se o efeito seria provocado pela atuação da minha mente por sobre o objeto ou não, seria a comprovação de que eu estava projetado.  Mas, não foi o que sucedeu. Nesse ponto, minha visão estava ligeiramente deslocada para fora do psicossoma, de tal sorte que eu me via de um ponto ligeiramente deslocado para fora do psicossoma.

Apesar do “teste” da queda do estojo não comportar-se com eu esperava, convenci-me de que estava projetado. Nesse momento, devo ter passado do nível de lucidez L2* para L4*. Esqueci o estojo, a visão centrou no psicossoma (isso é comum para mim quando passo de sonho lúcido para uma projeção lúcida), ficando tal como a visão no corpo intrafísico. Levantei-me completamente da cama, sem contudo pisar no chão. Parecia flutuar a alguns centímetros sobre ele. Chamou-me a  atenção uma grande quantidade de objetos multicoloridos dispersos pelo chão, Eram pequenos brinquedos e/ou artefatos de desenho e artes plásticas do tipo que são usados por crianças.

Subitamente despertei**. Poucos minutos se passaram após ter adormecido. Avaliei então esses eventos. Fiquei surpreso comigo mesmo. De onde tirei aquela ideia de atirar o estojo para o alto? Como consegui elaborar tão rapidamente essa ideia? As vezes surpreendo-me com essas coisas.

Por que o quarto estava tão diferente e porque haviam tantas coisas ali relacionadas com material didático para crianças? Seriam de fato para crianças? Estariam essas formas pensamento relacionadas a pessoas que hospedaram-se ali antes de mim? Teriam sido essas formas pensamento criadas por uma consciência extrafísica ali presente, não percebida por mim, para dar-me um recado, algo como: “O seu nível de projetabilidade lúcida ainda é o de uma criança…”. Ou a ideia seria outra, afinal, o que contém um estojo? Canetas, lápis… Seria uma indicação de que tenho que escrever mais? Nesse sentido, os objetos no chão indicariam a necessidade de usar mais elementos didáticos em minhas atividades? Quem sabe? Quando paira a dúvida quanto a natureza de um experimento projetivo, temos que cogitar todas as possibilidades.

Concluindo, observe leitor que a projeção foi muito rápida, mas, quantas linhas tive que usar para descrever tudo o que se passou nesse ínfimo período de tempo? Nada do que acontece ou o que é percebido durante um experimento projetivo é casual. A atenção para com os detalhes, e o seu registro posterior, por menores que sejam, pode trazer muitas informações úteis.

Notas

* Os níveis de lucidez extrafísica são descritos no livro Projeciologia de Waldo Vieira:

L2 = 20% de lucidez extrafísica. Seminconsciência com interferências oníricas.

L4 = 40% de lucidez extrafísica. O projetor ainda tem dúvida sobre se está ou não projetado.

L6 = 60% de lucidez extrafísica. Nesse ponto a lucidez é quase igual a que a pessoa apresenta na dimensão intrafísica e o projetor sabe, sem dúvidas, que está projetado.

** Experimentos recentes indicam que quando a pessoa entra na condição de sonho lúcido o cérebro passa a produzir ondas Gama cuja frequência é maior do que as que são produzidas na vigília comum. Essa superativação do córtex cerebral faz com que a pessoa rapidamente desperte.

Para Saber Mais

Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

Dispositivo Decodificador de Sonhos

Crédito: Welcomeimages

Crédito: Welcomeimages

Recentemente diversos experimentos vem sendo realizados no intuito de registrar padrões de pensamentos relacionados a cenas e mesmo a objetos específicos.

Em sua edição de hoje, 5 de abril, a revista Science, trás uma matéria descrevendo os últimos avanços obtidos nesse campo obtidos por uma equipe de cientistas japoneses do laboratório de Yukiyasu Kamitani do Instituto Internacional de Pesquisas de Telecomunicações Avançadas (ATR) de Kyoto. Liderada pelo Dr Yukiyasu Kamitani, PHD em sistemas neurais, a equipe relata ter conseguido decifrar parcialmente o conteúdo dos sonhos.

A tecnologia desenvolvida baseia-se na decodificação das imagens que uma pessoa observa durante produção de um sonho. Cada imagem observada produz padrões específicos de atividade cerebral que podem ser mapeados e interpretados.

Em uma faze inicial, a pesquisa envolveu o registro da atividade cerebral de três voluntários durante sessões de 3 horas durante as quais eles dormiam. Quando os aparelhos indicavam que o voluntário estava dormindo, ele era acordado e perguntavam que imagens haviam acabado de ver. Para definir padrões e criar uma tabela de correspondências entre atividade cerebral e cenas observadas, essa operação foi repetida mais de 200 vezes com cada voluntário ao longo de um período de 10 dias.

Uma vez criada essa base de dados, teve início a segunda fase da pesquisa. Kamitani e seus colegas desenvolveram um decodificador de imagem visual baseada em algoritmos de aprendizagem de máquina. Eles treinaram o decodificador para classificar padrões de atividade cerebral registrados dos mesmos três voluntários enquanto estavam acordados e assistindo a um vídeo montado com centenas de imagens selecionadas a partir de várias bases de dados on-line. Após o decodificador ter sido ajustado para cada pessoa, os pesquisadores puderam introduzir um padrão de atividade cerebral e fazer o decodificador prever qual imagem fora produzida durante um sonho.

Os experimentos possibilitaram uma taxa de sucesso entre 60 a 70% de predição correta quanto as imagens que eram vistas pelos voluntários.

Por enquanto, o decodificador tem que ser ajustado para cada pessoa e só funciona para indicar as imagens percebidas 15 segundos antes do despertar. Contudo, provavelmente, aperfeiçoamentos futuros o farão tornar-se funcional e mais preciso. Essa tecnologia será muito útil para estudar doenças psicológicas e também para criar dispositivos de controle baseados em pensamento.

Indo Além

Imaginem o seguinte experimento. Em um laboratório, um projetor consciente tem sua atividade visual monitorada por meio de instrumentação. O projetor sai do corpo, desloca-se até um ponto de observação previamente combinado, diante de uma rua movimentada, por exemplo. Ele fica alguns momentos no local observando a passagem dos veículos. As imagens são registradas pelo decodificador. Posteriormente, as imagens podem ser confrontadas com as que forem registradas por uma filmadora instalada no mesmo ponto de observação. Uma grande e impossível similaridade das imagens demonstrará de forma incontestável que a projeção consciente de fato ocorreu.

Para Saber Mais

Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos